Skip to content

EPMA - Linha de produto SX

Seleção de usuários de CAMECA SX

University of Massachusetts, Department of Geosciences, EUA
A UMass abriga o projeto "Ultra-Chron", uma colaboração entre a CAMECA e a Universidade de Massachusetts para o desenvolvimento de uma microssonda otimizada para análises de elementos traços e geocronologia. A unidade de microssondas da UMass tem como foco principal a datação por monazita, mas também realiza trabalhos analíticos em todos os tipos de materiais de alta tecnologia: cerâmica, microeletrônica de semicondutores, fibra ótica, etc.

UFRGS, Porto Alegre, Brasil
O Instituto de Geociências da Universidade Federal do Rio Grande do Sul recebeu um dos primeiros equipamentos de microssonda eletrônica SXFive da América do Sul, em 2014. Instalado no Departamento de Geociências, o instrumento também é usado para um amplo espectro de tópicos de pesquisa em ciências de materiais, física e química.

Technical University of Clausthal, Alemanha
O departamento EPMA da TU Clausthal está equipado com um equipamento de microssonda eletrônica SXFive, instalado em 2015, e um SX 100, instalado em 1996 para substituir um JEOL JXA-3 antigo.

Ruhr University Buchum, Alemanha
Instalado em 2014, o SXFiveFE complementa o SX 50 no laboratório de microssonda eletrônica da Ruhr-University Bochum, uma instalação analítica central do Departamento de Geologia, Mineralogia e Geofísica.

Syracuse University, NY, EUA
O laboratório de microssonda eletrônica da Universidade de Syracuse, localizado no Departamento de Ciências da Terra, atua como uma unidade de usuários, incentivando colaborações entre estudantes e cientistas de várias disciplinas em instituições e indústrias da região central de Nova York, nacional e internacionalmente. Ele está equipado com um SXFive.

CAMCOR, University of Oregon, EUA
O CAMCOR é um centro de caracterização da Universidade do Oregon aberto a clientes externos, que fornece infraestrutura para pesquisas em química, geologia, arqueologia, nanociência, ciências dos materiais, biociências e óptica. Ele é equipado com 2 microssondas CAMECA, um SX 50 e um SX 100.

University of Arizona, EUA
O Laboratório Lunar e Planetário da Universidade do Arizona recebeu o primeiro CAMECA EPMA (modelo SX 50) em 1990. Um SX 100 foi instalado no final de fevereiro de 2010, o mais antigo instrumento desse tipo ainda em operação.

Microanalysis Laboratory at Université de Laval, Quebec, Canadá
O Laboratório de Microanálises possui um CAMECA SX 100 para microanálises de materiais geológicos e inorgânicos. O laboratório está disponível a pesquisadores da Laval e de outras universidades, e atua como uma unidade regional para pesquisa industrial.

The Natural History Museum, Londres, Reino Unido
O Museu de História Natural é líder internacional em estudos científicos do mundo natural. Seu Departamento de Mineralogia opera 2 microssondas eletrônicas da CAMECA, sob a liderança de John Spratt. Projetos recentes têm abrangido uma ampla gama de caracterizações minerais, incluindo uma nova mavllanovita mineral e uma thortveitita de membro final com alto teor de escândio e qualidade de pedra preciosa.

R. Castaing Microcharacterization Center, Toulouse, França
A Universidade de Toulouse III é usuária de longa data do CAMECA EPMA, tendo o primeiro MS46 instalado em 1973. Duas microssondas foram adquiridas simultaneamente em 2014 para o recém criado Centro de Microcaracterização Raimond Castaing, parte do Instituto Clément Ader.

The American Museum of Natural History, Nova York, EUA
A unidade de microssonda eletrônica do AMNH é compartilhada entre o museu e o Observatório da Terra Lamont-Doherty da Universidade de Columbia. Os cientistas da Universidade de Columbia, localizada a 29 quilômetros de Nova York, podem operar a microssonda SX 100 remotamente por meio de um serviço de internet dedicado.

School of Earth, Atmospheric and Environmental Sciences, The University of Manchester, Reino Unido
A Unidade de Microssonda Eletrônica de Manchester oferece um serviço de primeira linha de microanálises de feixe de elétrons para pesquisadores financiados pelo NERC, bem como para outros profissionais do Reino Unido que realizam pesquisas científicas no NERC. As pessoas usando atualmente a instalação incluem: Petrologistas ígneos e metamórficos, sedimentologistas, cosmoquímicos, geocientistas ambientais, cientistas do solo e arqueólogos de base científica.

UC Davis - Earth and Planetary Sciences Department, EUA
O Laboratório de Microssonda Eletrônica no Edifício Terra e Ciência está equipado com um CAMECA SX 100.

New Mexico Bureau of Geology & Mineral Resources, EUA
O 'Bureau' é uma divisão de pesquisa e serviços do Instituto de Mineração e Tecnologia do Novo México (NM Tech). O SX 100 da NM tech é usado em uma ampla gama de projetos de pesquisa, principalmente nas áreas de geologia e ciências de materiais (geocronologia monazítica, caracterização de metais de minério e materiais de despejos de minas)

Oregon State University, EUA
O SX 100 instalado nas unidades de Geologia Marinha e Geofísica da Faculdade de Ciências Oceânicas e Atmosféricas também oferece recursos operacionais remotos para a Universidade Estadual de Portland.

Wits University, África do Sul
A Unidade de Microscopia e Microanálise da Universidade de Witwatersrand, em Joanesburgo, África do Sul, está equipada com um EPMA de Emissão de Campo. O laboratório do SXFiveFE foi inaugurado em agosto de 2014.

University of Johannesburg, África do Sul
A Unidade de Análises Central da Faculdade de Ciências da Universidade de Joanesburgo (Spectrum) tem como objetivo tornar-se um líder africano no campo analítico. O SX 100 da Spectrum é usado em uma ampla gama de aplicações mineralógicas e metalúrgicas.

 

Links a sociedades de microanálises

Microbeam Analysis Society
Formado em 1968, a MAS é uma organização de profissionais que trabalham ou têm interesse ativo em instrumentação de microfeixes. A Sociedade de Análises de Microfeixes oferece um fórum para membros de áreas industriais e acadêmicas, envolvidos em pesquisa, desenvolvimento, análise e fabricação de instrumentos, trocarem ideias e experiências práticas. Ela é patrocinadora da Conferência de Microscopia e Microanálise anual e realiza seminários com foco em tópicos microanalíticos

European Microbeam Analysis Society
A EMAS foi fundada em 1987 como uma sociedade científica focada na metodologia de análise de microfeixes. Seus principais objetivos são educação, comunicação e inovação.

Groupement National de Microscopie Electronique à Balayage et de MicroAnalyses (GN-MEBA)
Grupo Francês de Microscopia Eletrônica de Varredura e Microanálise, anteriormente grupo 8 da ANRT (Associação Nacional da Pesquisas Técnicas).